Culturas diferentes

Uma das coisas mais legais do curso de dinamarquês é conviver com pessoas de culturas das mais variadas. Na minha nova turma tem gente do Peru, México, China, Turquia, Tunísia, Iraque, Kênia, Islândia e Mauritânia.

Para treinar para a prova, cada um precisa fazer uma apresentação oral de 10 minutos sobre um tema e a professora pediu para falarmos sobre nossos países. Na aula de hoje eu falei sobre o Brasil. Comecei falando sobre alguns números como tamanho e população. Falei dos atributos naturais: floresta amazônica, montanhas, ilhas e praias famosas. Da diversidade cultural, das várias religiões, da discriminação que é mais social do que racial. Quando comecei a falar sobre o Rio fui interrompida por uma enxurrada de perguntas sobre o carnaval. Logo depois sobre as favelas e a disparidade social entre ricos e pobres, o que deu margem a uma grande discussão sobre drogas, criminalidade e corrupção. Meio entristecedor o rumo que a discussão tomou, mas, sem dúvida, bem interessante.

Mas interessante mesmo foi a vez da menina da Mauritânia falar. Eu sou uma super fã dela! Ela é uma muçulmana inteligente, bem informada e moderna. Nasceu na Palestina, enquanto criança morou em vários países africanos (francófonos), mas passou a maior parte da vida na Mauritânia e lá estudou em colégios franceses. Sua cultura e mentalidade não são típicas da Mauritânia e por isso ela tem um olhar distanciado e ocidental sobre o a cultura de lá. Ela falou um pouquinho sobre o país, mas mais precisamente sobre o relacionamento homem-mulher das classes mais ricas. Foi muito legal! Vou contar, por alto e em tópicos, o que ela contou:

  • Os mauritanos são um povo nômade.
  • O homem não pode encostar na mulher em público.
  • A sociedade da Mauritânia é matriarcal, apesar das aparências. É a mulher que decide se quer se casar ou se divorciar.
  • O divórcio é muito comum. Na verdade, quanto mais divórcios a mulher ter mais popular ela é. É um sinal que ela é atraente e muitos a querem. É normal uma mulher contabilizar 10-15 divórcios.
  • Os divórcios são amigáveis. Tanto que se em algum momento a mulher precisar de ajuda financeira, ela pode recorrer a algum dos ex-maridos e é certo dele a ajudar. É um comprometimento para a vida inteira.
  • A mulher usa um véu que cobre o cabelo e o corpo inteiro. Mas ele pode ser bastante transparente, e a roupa por baixo bem sexy.
  • Mulheres rechonchudinhas são consideradas as mais bonitas.
  • Um casamento mauritano típico é muito muito caro.
  • O homem precisa pagar um dote, não para os pais, mas para provar que tem dinheiro para a festa de casamento e para sustentar a esposa.
  • Durante a festa de casamento, é tradição a mulher se retirar para ir ao banheiro quando na verdade está sendo “sequestrada” pelas amigas. As amigas mandam um recado para o marido dizendo que se ele a quiser de volta precisa pagar. Quanto mais ele pagar maior o amor dele pela esposa. Não é visto como compra. O dinheiro é visto como prova de amor.
  • Com o dinheiro do “resgate” pago pelo marido, a mulher e as amigas costumam viajar juntas.
  • Durante a festa de casamento, em vez do buquê, o pai da noiva costuma jogar dinheiro. Uma forma de mostrar o quanto a filha é valiosa.
  • A roupa típica da noiva é um véu preto, que solta um pó, também preto, que a cobre por inteira. O simbolismo é do homem aceitá-la mesmo “suja” e se surpreender com sua beleza depois de limpa.
Image hosting by Photobucket
Image hosting by Photobucket
Image hosting by Photobucket
fotos daqui

  1. Nossa, que legal. Tantas culturas que a gente nem imagina, né? Não concordo com tudo, mas achei bem interessante. A medida que fores descobrindo mais coisas desse tipo, vai postando, é tão bacana!

    Nossa, virei comentadora assídua. Mais trabalho pra ti responder!!! :)

    Hahaha! Mas eu tô adorando você como comentadora assídua! ;)

  2. Flavia Maturana disse:

    Não deixa de postar essas coisas, Catinha. Muito muito muito interessantes!

    Vou postar, Flavia! Pode deixar! ;)

  3. Nossa que legal! Não sabia nada da Mauritânia, e pra falar a verdade, não sei nem aonde fica! Mas adorei ler sobre esse país. Parece ser uma cultura muculmana BEM diferente das que a gente costuma ouvir.
    Beijoca!

    Quase ninguém sabia onde ficava a Mauritânia, Carol. Ela precisou ir mostrar no mapa onde era. :)

  4. gente, que cultura diferente! mas ao mesmo tempo fascinante!! agora fiquei louca pra ir ver um casamento assim! hehe bjs!

    Também fiquei curiosíssima pra ver como são as roupas. Cheguei em casa e corrí pra internet pra procurar. Mas não é tão fácil de achar. :(

  5. Interessante mesmo. Mas ainda bem que o Jarkko não é da Mauritânia (nem eu). Na dureza que a gente anda, não ia dar pra casar =)

    Também fico doida pra perguntar tudo sobre a cultura dos outros na sala…às vezes chego a ser indiscreta.

    Que bom que vc tá gostando das aulas.

    Beijos
    lu

    Hahahaha! Mas eu gostei do “sequestro” e poder ir viajar com minhas amigas. Muito mUderno! :D

    Beijinho

  6. Cat, e muito bacana mesmo conhecer pessoas de culturas tao variadas, tb tive essa chance no ano passado, e foi genial!

    Essa da Mauritania me deixou de queixo caido – sempre soube q muculmanos em geral tem uma relacao com o dinheiro/joias/riqueza bem diferente da dos ocidentais, mas nao imaginava o quanto! Da ate a impressao q e um pais rico do Oriente Medio, sentado no petroleo, e nao um pais africano! Muito bacana…

    Mas sabe que ela contou que a Mauritânia encontrou petróleo recentemente e andam mesmo sentados no dinheiro por conta disso, além da pescaria que já dava bastante lucro ao país. Pelo jeito os ricos de lá são MUITO ricos, com casas imensas e trocentos quartos, etc. Só que os pobres são muito pobres.

  7. Que loucura, eu nunca saberia disso!!!

    Beijos

    Hehe! Nem eu!

  8. Dinamarca é um país que sempre tive a curiosidade de conhecer e foi muito a minha surpresa de descobrir novas culturas :) que nem imaginava. Futuramente vc estará no meu site, ok?Abraços

Comente

*