Então…

… que eu parei o mestrado. Depois de muito pensar, noites sem dormir, de querer mudar de planeta e toda uma série de angústias que, sinceramente, não desejo a ninguém, finalmente tomei a decisão. O esforço para não olhar pra trás é enorme, mas a cada dia que passa fica um pouco menos difícil.

Porquê parar? A resposta exata ainda é um mistério pra mim. Razões têm várias, mas ainda tenho dificuldade de distinguir dentre elas se existe uma que seria a autêntica ou é a combinação de todas.

Primeiro que a frustração de ainda não conseguir me comunicar em dinamarquês já estava tomando conta de mim e me transformando numa pessoa que eu não reconheço (e não gosto). Isolada, reclusa, séria, insuportável. Uma coisa é visitar um país que você não fala e não entende a língua. Tudo é engraçado, interessante e, é claro, tem sempre como recorrer ao inglês e resolver o problema. Mas morar é uma história muito diferente. É ter que lidar diariamente com essa barreira. É ter que interromper o estranho na rua, a caixa do supermercado, o vendedor no telefone e dizer “Sorry, I don’t speak danish”. Ter que lidar com a reação confusa da maioria que não estava esperando ter que, de repente, apertar a tecla SAP e falar em outra língua. Ou por outro lado, quando finalmente se tenta praticar e se balbucia as poucas palavras que acredita já saber falar, ter que lidar com a cara de interrogação do outro, ou pior, ter que ouvir a resposta do outro logo em inglês, afinal de contas, pra que perder tempo praticando dinamarquês se em inglês tudo é mais rápido? A vontade de tentar se desintegra alí.

Outra coisa que andava me incomodando era a sensação constante de desajuste, de não pertencer, de peixe fora d’água no mestrado. Da dúvida incessante. Do que fazer com esse mestrado mais tarde, de como me encaixar no mercado de trabalho aqui, de como associar meu bacharelado com esse mestrado, que na essência são tão diferentes. E o mais importante: estou estudando isso porque realmente quero e gosto ou porque é preciso agora? A resposta, apesar de se revelar com dificuldade, no fundo sempre pareceu muito claramente ser a segunda. Gostar do assunto tratado no mestrado eu gosto, só não me vejo trabalhando com ele. Pelo menos não agora.

O estopim foi descobrir que na Dinamarca não se pode fazer outro curso universitário quando se tem um mestrado completo. A claustrofobia de não ter escolha, não ter opção, passou a me perseguir.

Me dedicar completamente e exclusivamente ao dinamarquês agora me pareceu a decisão mais sensata. Terminar o curso de dinamarquês me abrirá muitas portas que agora estão trancadas à cadeado, como por exemplo a possibilidade de trabalhar e sentir que finalmente sou capaz de fazer parte e colaborar no funcionamento dessa sociedade dinamarquesa, com a qual com fé, um dia, me sentirei integrada. Passar na prova final de proficiência na língua abrirá as portas da universidade e é isso que adotei como meta agora.

Só preciso lembrar… “Nobody said it was easy”.

  1. Ô chérie!

    …no one ever said it would be this hard…

    Puxa vida! Sabe que, fico feliz por você e te parabenizo pela decisão. Quantos não teriam peito pra isso?

    Fica bem! Espero falar com vc em breve!

    Obrigadão, Fla! Agora eu já tô bem. :) Beijinho

  2. Eu tenho uma história legal sobre isso que posso te mandar por mail, essas coisas de mudança e tudo mais. Tu ia gostar muito. ABoa sorte, beijo

    Oi Mity. Agora fiquei curiosa pra saber da hitória. :) Beijo

  3. Catinha,

    espero que esteja tudo bem com vc. Força e determinação em seus novos objetivos. Às vezes temos que dar dois passos atras pra dar 1000 a frente. Pense nisso. Não se culpe pela sua decisão. Esse é um grande sinal de auto conhecimento, de amadurecimento. Te amo muito, e tenho saudades jana

    Jana, minha querida! Muito obrigada! Te amo de montão e a saudade é muito grande!  Beijos muito gordos pra você!

  4. Mandei, espero que você goste e se sinta forte. Você merece tudo de bom. Conheço poucas pessoas como você, guerreiras e corajosas! :)

    Oi Mity! Recebi seus dois emails e adorei! Gostei muito das histórias, mas principalmente sua apresentação! Surpresa agradabilíssima! :) Muito obrigada pelo carinho! Beijos!

  5. Se voce faz mestrado nao pode mais fazer outro curso universitario? Que loucura!!!
    Nenhuma decisao e facil, mas temos sempre que torcer pra que seja a correta. Beijos

    Pois é, mas até que faz sentido quando a Universidade não só é de graça, mas o governo paga pelo sustento do estudante durante o período todo do curso. (Bom, paga aos estudantes dinamarqueses, né? Mas a lei é igual para todos.) Essa lei foi criada para evitar que a pessoa passe a vida inteira na universidade, vivendo às custas do governo, sem trabalhar. Eu acho esquisito mas, pensando bem, faz sentido de acordo com o sistema deles.

    Obrigada pela força! Beijinhos

  6. faz bem Catia! sua saude e seu bem estar vem muito antes do mestrado. Eu sei que eh facil falar pq eu mesmo nao consigo bem seguir o que é certo. Tb me estresso demais com a universidade e qdo tudo acaba penso “pq eu fiz essa besteira”…fico de cama, doente, minha cabeca explodindo…por causa dos estudos. So nessas horas que me bate aquela consciencia: se esta me prejudicando, nao vale a pena. Me prometi que no proximo semestre vou fazer tudo mais calmo..mesmo que tenha que estudar mais um semestre pra isso.

    E com certeza o primeiro passo se da pela lingua local. Essa sensacao de “peixe fora d´agua” e nao conseguir se comunicar todo mundo teve. Ai na dinamarca vc tem a sorte das pessoas falarem ingles…aqui nao sao todas. Ou seja, nao fala alemao, tentou ingles…eles te ignoram e ponto. O negocio é a gente tentar falar a lingua deles, e nao desanimar. é mais do que certo eles quererem que vc se comunique com eles na propria lingua…os errinhos vao se concertando com o tempo! bjs e animo!

    Esse estresse que você descreveu como você fica com os estudos é exatamente o que eu estava vivendo. Pra piorar a vozinha me dizendo que eu estava passando por todo esse sufoco por um curso que eu nem queria verdadeiramente me perseguia. Agora sobre a língua, eu tenho “sorte” em termos, né? Porque o fato deles falarem inglês só dificulta minha aprendizagem. Mas vamoquivamo que agora eu tô empolgada com o curso diário. :) Beijocas!!

  7. Olá Cátia.
    Admiro você por ter tomado a decisão ao invéz de viver na “eterna” angústia, que é horrível.Há um livro chamado “Quem mexeu no meu queijo?” autor Spencer Johson, que fala exatamente sobre mudanças, não sei se já o leu, ele é interessante pelo menos para distrair a mente.
    Qto ao dinamarquês, minha filha, vc está aprendendo uma língua que é um dos berços da linguagem moderna, não se sinta fracassada, ao acontrário, você é inteligente e muito capaz de aprendê-la, só ter um pouco de paciência querida.
    Super beijo!
    Fabi

    Oi Fabi! Nunca li o livro, mas já ouvi falar bastante dele. Muito obrigada pela força, carinho e elogios! :) Beijos

  8. Flavia Maturana disse:

    Catinha, decisão tomada é bola pra frente!
    Decisão é assim mesmo, implica corte (cisão), implica perdas… … … e ganhos, ah! os ganhos!
    Beijos, sempre torcendo por vc.

    Falou e disse, Flavia! Bola pra frente, sem olhar pra trás! :) Beijos

  9. Cat, eu tinha certeza, no fundo do meu coracao, que vc acabaria tomando esta decisao cedo ou tarde. Ainda bem que foi cedo, antes q vc se visse “all tangled up” em algo que nao tem haver com teus planos pro futuro…

    Nao e facil, mas e preciso. Saber o momento de parar e mudar a rota e tao importante quanto ser persistente e lutar pelo que queremos de verdade. Vc foi sabia e corajosa, na minha “umirde opiniao”… ;)

    Beijos, amiga! E fique em paz, “bola pro mato, que o jogo e de campeonato!”

    Haha! Adorei o “bola pro mato”! :)  Eu sabia que você sabia, porque no fundo eu sabia também! ;) Beijo

  10. Oi Cátia!

    Tudo que vc falou me soou muito familiar =) Não é fácil morar aqui não, mas tuido fica menos complicado depois que a barreira da língua comeca a ser ultrapassada. Eu admiro a sua coragem de escolher algo que vc precisa fazer agora. Afinal de contas, nunca é fácil escolher entre 2 coisas importantes (mestrado/dinamarquês).
    Beijocas

    Falar dinamarquês igualzinho a você se tornou minha meta agora, Carol! :)

  11. Olá Cátia! Tudo bém?
    Espero que você aprenda a língua rápido, para isso é preciso que você corra atrás do seu interesse. Sei que é fácil se comicar, quando se fala inglês, mas para que vc se sinta melhor e passe a entender as manias dinamarquesas, toques diferenciados ou quaisquer outras coisas que estejam inclusa na cultura deles, você precisa falar o idioma deles. Eu estou estudando sueco há quase quatro meses, não gosto, but sei que é importante, então irei até o fim. E só pra vc ficar sabendo: embora eu não tenha planos de morar na Dina um dia, quando eu terminar o curso de sueco, o dinamarquês será uma das línguas que comecarei a estudar (com a ajuda dos meus sogros:-).
    Um beijinho e muita sorte.

Comente

*