Poesia

Ontem conversando com um amigo, comentamos como é bom reconhecer nosso estado de espírito tão bem retratado nas palavras de um sujeito que sabe escrever. Acordei hoje com uma poetisa na cabeça com a qual eu me indentifico muito…

“Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: aqui… além…
mais este e aquele, o outro e toda a gente…
Amar! Amar! E não amar ninguém!
Recordar? Esquecer? Indiferente!
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disse que se pode amar alguém
durante a vida inteira é porque mente.

Há uma primavera em cada vida:
é preciso cantá-la assim florida,
pois se Deus nos deu voz foi pra cantar.

E se um dia hei de ser pó, cinza e nada
que seja a minha noite uma alvorada,
que me saiba perder… pra me encontrar

- Florbela Espanca -
Comente

Comente

*